29 de abr de 2011

PROJETO DE PESQUISA


Tipos de Pesquisa

            Ao pensarmos em Projeto de pesquisa, ou apontar um trabalho na perspectiva da pesquisa, que acredito ser o caminho mais indicado para a possibilidade de construirmos cidadãos capacitados e profundamente imbuídos de cultura, seja a verdadeira educação.
            Penso que a partir do momento em que as pessoas são desafiadas, ou autonomamente, conscientemente, a partir de si próprias, a partir da necessidade ou pela significação que isso tem para sua vida, esse fato por si só, já é ou pode, ser o fator determinante e acredito que esse processo seja o grande desafio posto aos verdadeiros educadores.
            Sabemos que existem vários tipos de pesquisa, sendo que cada um deles tem suas características próprias e cada um deles pode ser utilizado a partir dos objetivos do trabalho a ser desenvolvido. As pesquisas podem ser abordadas na perspectiva quantitativa bem como qualitativa
            Abordaremos as formas de pesquisa a seguir, caracterizando-as: pesquisa bibliográfica; pesquisa histórica; pesquisa documental; pesquisa descritiva; pesquisa explicativa; pesquisa-ação; pesquisa participante; estudo de caso; pesquisa etnográfica;  survey; pesquisa metodológica.
            Cada tipo de pesquisa a seguir tem suas características e também com seus procedimentos próprios, que são fundamentais para o processo educativo. Antes de iniciarmos a caracterização cada tipo de pesquisa é necessário que seja considerado que os procedimentos e técnicas adotados ou a serem adotados depende principalmente dos objetivos do(s) investigador (es), e o contexto histórico, bem como as divisões e subdivisões de cada tipo de pesquisa, onde primeiramente devemos ter presente que cada tipo de pesquisa tem seu núcleo comum de procedimentos e com suas peculiaridades próprias.
            Considerei acima a respeito da importância da pesquisa em razão de que a pesquisa deve partir de conhecimentos já estabelecidos e produzir mais conhecimento, objetivo fundamental da pesquisa, não importando o tipo a ser utilizado, lembrando também que um tipo complementa outro.
            As pesquisas podem ser caracterizadas primeiramente como quantitativas e qualitativas. Os dois aspectos são importantes, pois podemos considerar o aspecto quantitativo, na perspectiva da qualitativa, onde o primeiro aspecto poderá contribuirá enormemente com o segundo, não sendo determinante, mas o que é determinante, a concepção e processo desencadeado pelo pesquisador, considerando novamente, que os dois aspectos, são importantes.
            A abordagem quantitativa é mais voltada ao processo de ocorrência dos fatos, dos fenômenos pesquisados, contribuindo para o conhecimento, interpretação e atribuição de significados, desvelando quantitativamente a realidade, possibilitando uma explicação mais significativa, aprofundada e crítica da mesma.  Geralmente as abordagens quantitativas e qualitativas enriquecem o processo de análise interpretativa.
Abordarei agora cada um dos tipos de pesquisa, que são eles:           

- Pesquisa bibliográfica:
            Podemos considerar que a pesquisa bibliográfica é elaborada a partir de material geralmente já publicado em forma de livros, artigos de periódicos e também de material disponibilizado na Internet, muito comumente utilizado, e que ainda é um desafio a ser pensado e solucionado pelas instituições de ensino, em todos os níveis de ensino, se quisermos realmente caminhar para a Educação de qualidade, que tanto almejamos. A pesquisa bibliográfica possibilita ao pesquisador conhecer de forma mais ampla seu objeto de pesquisa, ampliar seu olhar sobre o assunto pesquisado, capacitando-o a criar uma síntese e perceber as interrelações entre os textos pesquisados, possibilitando construir uma síntese que representará suas conclusões ou considerações sobre o assunto. Um aspecto fundamental no processo de pesquisa sobre determinado assunto, é necessário que o pesquisador tenha cautela quanto à escolha das fontes de pesquisa e no caso do uso da internet dos sites, blogs, links, etc.
  
            - Pesquisa histórica:
            Este tipo de pesquisa é semelhante à pesquisa bibliográfica. Permitem-nos, através de documentação, relacionados com fatos e acontecimentos, costumes, tendências do passado, possibilitando um melhor conhecimento dos mesmos, descrevê-los, comparar, perceber as diferenças nos vários momentos históricos, para uma melhor atuação na realidade, contribuindo para a construção de uma nova história, feita por sujeitos históricos, conhecedores da sua Historia e Historia de sua cultura de seu País.  
  
            - Pesquisa documental:
            Pesquisa semelhante à bibliográfica e à histórica, sendo que a diferença desta com as outras duas está em que esta, apresenta as fontes de pesquisa, através de vários documentos (desenhos, pinturas, fotografias, escritos, hieróglifos, objetos de arte, músicas, podendo ser relatórios de pesquisas, tabelas ou outros...) através dos quais possibilita um maior aprofundamento das pesquisas.

            - Pesquisa descritiva:
            Interessante destacar que a pesquisa descritiva tem por objetivo primeiramente conhecer a realidade sem, no entanto não quer interferir, para modificá-la. A descrição é importante, mas somente ela não basta, a não ser, se considerarmos as questões ideológicas, políticas, sociais ignoradas nesta concepção, que não são “neutras” nem um pouco, do contrario profundamente comprometida, esta concepção, com a manutenção do “status quo”, mas reafirmando, se apresenta como aparentemente na perspectiva da neutralidade. São apresentadas as características de um fenômeno, de um povo, de uma determinada realidade, de um fato.
   
            - Pesquisa explicativa:
           Muito semelhante à pesquisa descritiva, onde o conhecimento, interpretação  e explicação da realidade, buscando saber as causas dos fatos, dos fenômenos, sabendo-se que há uma diferença determinante, ou seja a pesquisa explicativa, não se restringe em apenas em descrever os fatos, a realidade.
            - Pesquisa-ação:
            É a pesquisa que esta ligada a uma situação concreta, a uma situação existencial, tendo por origem e intrinsecamente ligada a uma ação e intrinsecamente imbricada na busca de solução de uma situação problemática coletiva, que exige uma solução, onde o(s) pesquisador (es), ou envolvidos na situação a ser resolvida, estão comprometidos  efetivamente, participando  coletivamente, supondo planejamento participativo nos mais variados aspectos da vida, seja ele social, educativo, político, etc.
            Neste tipo, a população está empenhada e comprometida na pesquisa, ampliando seu entendimento, conhecimento da realidade, tendo como resultado desta ação, a valorização de cada um, e tendo por beneficiados, todos os participantes do processo.
  
            - Pesquisa participante:
            Muito semelhante ao tipo de pesquisa anterior, onde o pesquisador participativamente, com o coletivo da situação de forma coletiva no planejamento, busca das bases teóricas, hipóteses, dos objetivos e também na elaboração do cronograma de atividades, onde através da plena e efetiva participação social da comunidade, sendo um verdadeiro processo de educação e perspectiva de transformação da realidade, através da participação dos que foram historicamente excluídos da sociedade. A observação participante é uma das técnicas utilizadas, privilegiando e construindo uma ciência popular, onde os dominados tomam conhecimento dos mecanismos de dominação da sociedade, e a partir deste conhecimento podem efetivamente se organizar e participar da construção de caminhos de transformação, sendo que os participantes se tornam sujeitos deste processo, em constante evolução, através da tomada de consciência da importância do conhecimento e da participação social.

            - Estudo de caso:
            É o tipo de estudo que busca estudar profundamente, seguindo uma forma rígida de investigação, ao longo do tempo, uma unidade, um grupo de pessoas, evento cultural, instituição, uma situação especifica. Busca descrever os fatos, os fenômenos, a situação a ser estudada, levando em consideração o seu contexto. Tem como característica também, explorar problemas, situações pouco conhecidas, buscando explicar objetivamente, explorando através de uma teoria adotando a metodologia da relação causa e efeito.

            - Pesquisa etnográfica:
            Este método de pesquisa que tem por objetivo conhecer novas relações, novas formas de entendimento de uma determinada realidade, sendo que o pesquisador é um observador participante, com conhecimento teórico busca conhecer a maneira de pensar e agir dos participantes, não tendo por objetivo modificar o ambiente, nem as pessoas nele envolvidas. Durante a pesquisa, de acordo com o ambiente, as pessoas envolvidas, enfim o contexto, havendo necessidade, será modificado as técnicas e os instrumentos teóricos serão repensados.
            - Survey:
            É um instrumento de pesquisa, normalmente utilizando o questionário, como maneira de busca das informações, tendo como característica principal, o de produzir descrições quantitativas, fazendo uso de um instrumento predefinido.
            Este tipo de pesquisa serve perfeitamente para responder a várias situações, e sobre características, ações ou opiniões de determinado grupo de pessoas, de uma população, através de questões, por exemplo: O quê?, Por quê?, Como? Quanto?

            - Pesquisa metodológica:
  Este modo de pesquisa voltada para a descoberta e aprofundamento de métodos e procedimentos adotados como científicos. Estuda também os modelos, as crises da ciência, bem como  também as técnicas dominante na produção cientifica. Este método de pesquisa, por vezes une outras formas de pesquisa, dependendo do método a ser adotado, como: a bibliográfica, a histórica, a descritiva, a explicativa, a experimental.


Referencias:
CERVO, Amado L. e BERVIAN, Pedro A. (1983) Metodologia Científica : para uso dos estudantes universitários. 3.ed. São Paulo : McGraw-Hill do Brasil.
DEMO, Pedro. Pesquisa e construção do conhecimento: metodologia científica no caminho de Habermas. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1994.
SANTOS, Antonio Raimundo. Metodologia científica: a construção do conhecimento. Rio de Janeiro: DP&A, 1999.
Passo Fundo, 01/05/2011
Onesio Primo Longhi


25 de abr de 2011

MIDIAS NA EDUCAÇÃO - CICLO AVANÇADO - MÓDULO METODOLOGIA APLICADA (PROJETO DE PESQUISA) *NORMAS ABNT

>>> CONTEÚDO >MÓDULO METODOLIGIA APLICADA
>>> COMO FAZER PROJETO DE PESQUISA (NORMAS, EXEMPLO)


PRINCÍPIOS DE APRENDIZAGEM

Diante dos questionamentos na perspectiva de responder sobre os “princípios de aprendizagem’’, acredito que a questão da clareza mental é fundamental, determinante, ou seja, se o educando tiver clareza de objetivos, da importância da educação em sua vida, tendo motivação e apoio dos familiares, amigos, colegas, educador, o processo de formação de cidadãos, estará praticamente resolvido em grande parte, haverá criatividade não só da parte do educando, mas também da parte do educador, a interdisciplinaridade acontecerá com uma facilidade maior, onde a criatividade será também um ingrediente importantíssimo no processo de aprendizagem, tudo isso contribuindo para uma maior e efetiva participação dos sujeitos envolvidos.
Sabemos que a questão do aprender, não é algo que é fácil de ser respondido, compreendido, pois não é tão simples saber o que é aprender, ou definir-mos até vai o aprender, aparece aqui os vários níveis de aprendizagem. O conceito aprender envolve uma gama enorme de aspectos, que variam de acordo a cultura, contexto, sociedade, etc...
O conceito, ou quem sabe melhor dizendo o processo de construção do conhecimento, a mim parece, é bem mais completo do que simplesmente se afirmar aprender. No processo de construção do conhecimento o aprender já está contemplado, podendo-se entender não como algo pronto, mas que algo foi aprendido, mas que algo ou muito se necessita aprender.
No processo de aprendizagem devem ser considerados como fundamentais os aspectos: físicos, emocionais, intelectuais, sociais, familiares, relacionais..., pois quando estes aspectos estiverem estabelecidos minimamente, a aprendizagem ocorrerá diferentemente se estivermos cansados, com fome, estressados, angustiados.  Sabemos perfeitamente como será diferente a aprendizagem, se considerarmos estas situações e ai destacamos o importante papel do educador, o qual sempre deverá levar em consideração estes aspectos com uma seriedade muito grande, desencadeando um processo, sempre mais prazeroso e produtivo.
Os meios, as ferramentas também têm um papel muito grande a contribuir, em nosso caso as tecnologias, que todos sabemos da sua importância.  
Passo Fundo, 25/04/2011
Onesio Primo Longhi

18 de abr de 2011

MIDIAS NA EDUCAÇÃO - CICLO AVANÇADO >>>Módulo de Convergência de Mídias

Objetivos:


·  Abordar os conceitos emergentes sobre comunicação, mobilidade e convergência de mídias, contribuindo com a compreensão das diferentes possibilidades de uso pedagógico, favorecendo a reconstrução da prática;
·  Discutir as implicações envolvidas no processo de ensino e aprendizagem;
·  Contribuir para a criação de condições que despertem nos profissionais a motivação para o uso integrado das mídias e tecnologias em suas práticas;
·  Compreender os papéis dos alunos, professores e demais envolvidos na comunidade escolar como autores e interlocutores.

Reflexão a respeito da seguintes questões:

- Ao usar referências de outros autores encontradas na Internet na elaboração de materiais para distribuir entre seus alunos como de apoio às suas aulas você se preocupa com a questão dos direitos autorais?
- Você analisa com seus alunos o respeito aos direitos autorais?
- Você acha que o direito de propriedade tolhe a criatividade?
- Você acha que o direito à informação e à educação deveria se sobrepor ao direito de  propriedade?
- Diante das potencialidades das mídias e das facilidades para se produzir textos, vídeos, narrativas, imagens etc. Você estimula no aluno a autoria a partir das tecnologias digitais?
- Essas facilidades auxiliam o aluno a empreender a autoria ou apesar delas, o aluno ainda prefere a postura passiva da educação bancária?


    Refletindo sobre as questões acima, acredito que ao utilizarmos textos, livros, sínteses ou qualquer outra elaboração, o fato de fazer referencia aos seus referidos autores é imprescindível que se respeite a propriedade intelectual e que  os direitos autorais, devem ser garantidos. Importante considerar também que todas as elaborações teóricas, cientificas, ou de qualquer gênero tem uma função social a cumprir, ou seja, deve obrigatoriamente ser disponibilizada  a todos.      
   Importante chamar a atenção dos alunos a este aspecto, pelo fato de que, ao despertarem para a valorização destes conhecimentos, destas produções sejam desafiados desta forma, a construir conhecimento também.
    Busco sempre destacar a questão do respeito aos direitos autorais, bem como da propriedade intelectual, sejam essas produções intelectuais pessoais, de escolas, universidades, institutos de pesquisa pois o autor despendeu um esforço em sua elaboração.
    Penso que uma maneira para desperta-los para isso é desafiando-os a elaborarem um texto, sobre um determinado assunto, e após questionar se gostariam que esse texto fosse utilizado sem fazer referencia ao mesmo.
    A criatividade na elaboração do conhecimento é fundamental para caracterizar o seu autor, o contexto no qual está inserido, dando-lhe maior direito de propriedade, entendida não na lógica do capital, propriedade individual, mas sim como propriedade coletiva.
   O direito a informação e ao processo de formação educacional são preponderantes ao direito de propriedade na perspectiva do capital, lucro, posse, dominação.
   A potencialidade e a facilidade de utilização das mídias são enormes, e por essa razão devemos estimular a autoria na elaboração dos trabalhos, desafiando-os a postarem na internet, capacitando-os e tornando-os conscientes, responsáveis por suas produções. Penso que a internet, as mídias são fundamentais para isso.
   Acredito que devemos estimular o aluno para a autoria através da utilização das tecnologias, contribuindo na superação da prática bancaria da educação e apontando para uma postura ativa, a partir do processo educativo. Penso que esta seja a verdadeira função do educador, contribuindo para a constituição de sujeitos da História.
Passo Fundo, 19/04/2011
Onesio Primo Longhi



Refletindo sobre o seu dia-a-dia e na forma como se relaciona com as tecnologias

- Quais as tecnologias  que mais utiliza?
- Você conseguiria ficar quanto tempo sem utilizá-las?
- Que facilidades e/ou dificuldades elas acrescentam na sua vida?
- De que forma poderia pensá-las na prática pedagógica?


            Refletir sobre os avanços tecnológicos é algo que nos desafia e nos compromete por vários fatores, ou seja, considerando que os avanços das tecnologias de informação e comunicação (TICs) estão cada vez mais presentes em nossas vidas. Este fato é sem dúvida, fundamental para uma possibilidade de inserção maior e melhor na sociedade.    
         Verificamos também uma evolução rápida no aspecto acima, da qual a educação não pode ficar de fora, pelo contrario, deve estar na vanguarda deste processo, pelas implicações disto, ou seja, ou nós ajudamos a fazer esta história ou outros a farão por nós e muitas vezes contra nós, excluindo ainda mais a grande massa de excluídos, sabendo-se que a função da educação é a de inclusão.
No tocante ao uso das tecnologias, faço uso diário da internet, para leitura de jornais, revistas, periódicos, enfim, tudo o que me possibilite estar informado, dos acontecimentos, locais, regionais, mundiais. A busca por livros, também é algo que me proporciona, mesmo estando em casa, escola ou outro lugar, fazer leitura, análise, tirar conclusões, ampliar meu nível de compreensão e conhecimento da realidade, pesquisando materiais, filmes, vídeos, comentários, etc..., para conhecimento e atualização pessoal, o que me possibilita uma melhor preparação para trabalhar no processo educativo.
O fato de mídias permitirem a comunicação com as pessoas e com o mundo, convergindo e complementando-se entre elas, e nisso, interferindo no processo ensino aprendizagem, de uma maneira muito profunda, da qual devemos estar obrigatoriamente plugados e atualizados, e acompanhando novidades, do contrario ficaremos mais para trás ainda. Faço uso também do celular, do telefone em meu trabalho. O fato que mais me desafia, e como utilizar esta ferramenta, com uma geração digital que navega muito bem nestas tecnologias, mas que ainda não percebeu a riqueza que existe, principalmente na internet, que poderá proporcionar uma riqueza muito grande na vida das pessoas, da qual o sistema escolar não pode fugir, apontando principalmente para a construção coletiva e colaborativa, iniciando pelo conhecimento. Considerando todos estes aspectos e muitos outros, verificamos que as tecnologias têm muito a contribuir.
Penso que ainda temos muito a avançar na perspectiva de uma melhor utilização pedagógica das tecnologias, iniciando esse processo com os educadores. Reafirmo, as tecnologias são fundamentais no processo de informação e formação na sociedade atual.
Passo Fundo, 21/04/2011
Onesio Primo Longhi

17 de abr de 2011

ATUALIDADE DE PAULO FREIRE - LIVROS PARA DOWNLOAD(FREIRE)

Atualidade de Paulo Freire na Educação Profissional, Tecnológica e de Jovens e Adultos



“Uma visão de alfabetização que vai além do ba,be,bi,bo,bu. Porque implica
uma compreensão crítica da realidade social, política e econômica na qual
está o alfabetizando... a alfabetização é mais, muito mais que ler e escrever.
É a habilidade de ler e escrever o mundo, é a habilidade de continuar
aprendendo e é a chave da porta do conhecimento”
                                                                                                       
                                                                                      Paulo Freire

  
Refletir sobre a atualidade de Paulo Freire é muito interessante e ao mesmo tempo um assunto atual e tão importante para a compreensão dos indivíduos, da sociedade, do processo educativo e também por poder contribuir enormemente para o desenvolvimento de processos educativos alternativos, construtivos e constitutivos.
O assunto é desafiante, é a possibilidade de refletir sobre a realidade educacional, para uma melhor compreensão, na perspectiva da ressignificação das relações, inclusive pedagógicas e construir uma nova perspectiva de organização da sociedade.
Conhecer os pensamentos de Paulo Freire já é um grande desafio, pensar em praticar a proposta pedagógica, por ele elaborada é um desafio e de uma atualidade incomum e ao mesmo tempo comprometedora.
Iniciando a reflexão buscarei contextualizar, partindo da compreensão dos paradigmas atuais no contexto educacional, apontando para a compreensão do pensamento Freireano dentro da perspectiva da compreensão da atualidade com seus medos e inseguranças, dentre elas o desemprego, onde as mudanças rápidas exigem novas formas de ser, estar e viver hoje.
Para contextualizar e aprofundar a compreensão desta realidade, Paulo Freire nos aponta para as possibilidades das relações serem diferentes a partir do espaço da escola. Ele afirma que o educador necessita do educando, bem como o educando necessita do educador. Cada um deles tem tarefas especificas, mas ambos se educam nesta relação, que não é de igualdade, mas o educador tem que ensinar e o educando tem que aprender. Paulo Freire aponta para um questionamento fundamental que é a maneira como se estabelece esta relação, que seja uma prática democrática, ele aponta para a questão primordial que o educador tem que partir de onde o educando está, ou seja, partir do nível de conhecimento, cultura, para ter a possibilidade de avançar.
A metodologia de Paulo Freire envolve uma filosofia da Educação do diálogo, sendo não somente um método de alfabetização, mas mais do que isso vai ajudar as pessoas a ler e escrever, mas vai muito além a sua proposição, sua metodologia vai ajudar as pessoas a se posicionarem socialmente, compreender a questão das relações de poder.
A sua metodologia está a serviço da conscientização despertando para a possibilidade das potencialidades de reflexão e ação. Outra questão importantíssima é a proposta de mudança de currículo da escola, entendido como a totalidade da vida que existe, não só dentro da escola, mas em toda a sociedade.
Uma das características da metodologia de Freire é a ação do ser humano no e sobre o mundo que se constrói o conhecimento, onde a partir dos conteúdos os educandos são desafiados a pensar e a refletir, apontando para a possibilidade de impedir as copias e repetições, memorizações. Paulo Freire apontou para a possibilidade de que é fazendo e pensando sobre o que se faz e fez que aprendemos. O dialogo para Freire ajuda no desenvolvimento da consciência critica e participação na sociedade e fundamental na relação entre o alfabetizador e educando. Exige esforço, empenho, participação verdadeira de todos no processo de aprendizagem, onde os alfabetizandos são desafiados e estimulados a desenvolver a observação, na perspectiva da construção de conclusões, mesmo que provisórias, enfim o dialogo como fundamental instrumento para se construir o conhecimento.
A atualidade de Paulo Freire é um aspecto fundamental, no sentido de que é possível realizar uma pratica pedagógica, como ponto de partida de um processo de construção do conhecimento libertador, considerando o contexto econômico-politico-social excludente, especialmente diante do processo de globalização aprimorar a proposta de Freire caracterizada pela sua abordagem pedagógica libertadora, onde o criar e recriar coletivamente as leituras de mundo, apontando assim a possibilidade de libertação dos oprimidos e opressores de práticas desumanas, onde educador e educando vão se comprometendo com a transformação da realidade antiética e injusta. A sua pedagogia aponta para a sabedoria de entender e enfrentar os problemas da realidade, resolver com singularidade as coisas obvias de cada dia, valorizando e partindo do senso comum, como ponto de partida para a construção do conhecimento científico-político-filosófico.

O DIALOGO COMO PRÁTICA PEDAGÓGICA, SUPERANDO A INDISCIPLINA

Como acontece de modo geral a prática pedagógica em sala de aula e como acontecem as relações interpessoais no ambiente escolar hoje?
Com certeza Paulo Freire nos ajuda a encontrar a solução, ou seja, no seu livro a “Pedagogia do Oprimido” vai nos ajudar a solucionar uma das grandes dificuldades que a questão da indisciplina, como uma das principais causas do fracasso escolar. Aponta que é possível superar a educação bancaria ainda muito forte em nossas escolas. Como superar esta concepção? Paulo Freire acredita e propõe a construção do conhecimento a partir do ser humano como sujeito histórico. Faz a critica da concepção bancaria, justamente em razão de ser ela opressora, que tem por objetivo de disciplinar os que fazem parte do processo ensino-aprendizagem, contribuindo para a manutenção do “status quo”, também por ser uma pratica antidialógica, impedindo os educandos a se manifestarem de acordo com o contexto social em que vivem é fundamental no processo de construção da possibilidade de transformação.
Freire propõe uma educação problematizadora, dialógica que busca eliminar a dicotomia entre educador e educandos, apontando para uma perspectiva de organização social mais justa, solidária, práxis transformadora do mundo, enfim da realização do ser mais humano, a partir da escola. Paulo em síntese nos ajuda a compreender a diferença fundamental que existe entre educação bancária que basicamente atua na transmissão de conhecimentos de forma autoritária e unilateral e a educação problematizadora e dialógica que busca a produção do conhecimento entre os sujeitos, onde todos os envolvidos são sujeitos co-participantes, construindo sujeitos históricos junto com o conhecimento.
A conscientização é, portanto um processo que orienta para o desenvolvimento da consciência democrática, da sensibilidade emancipatória em busca de um conhecimento libertador onde as pessoas se sentem e se constituem como autores, sujeitos. Estes aspectos são de fundamental importância na sociedade em que vivemos hoje.
Como vimos a concepção de educação de Paulo Freire é entendida como processo de transformação do homem e do mundo, apontando, portanto para além da pedagogia, permeando o campo da política, da economia e das ciências sociais.
Concluindo gostaria de afirmar que o exercício de reflexão exercido, buscando compreender e justificar a importância e atualidade de Paulo Freire foi muito gostosa e válida. Dentre outros fatores, compreendi as raízes epistemológicas de seu pensamento, apontou para a necessidade de construção de uma nova práxis nas nossas escolas, sem contar a ressignificação, a motivação na construção da existência humana, fundada em sujeitos livres a partir do paradigma da intersubjetividade, dialogal, como ponto de partida da construção do conhecimento e de um outro mundo.

Referências Bibliográficas:
FREIRE, Paulo. Ação cultural para a liberdade. 6ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1982.
_____. A importância do ato de ler. 45ª ed. São Paulo: Cortez, 2003b.
_____. Educação e Mudança. Trad. Moacir Gadotti e Lílian Lopes Martin. 3ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1981.
_____. Educação como prática da liberdade. 7ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1977.
_____; NOGUEIRA, Adriano. Que Fazer: Teoria e Prática em educação popular. 3ª ed. Petrópolis: Vozes, 1991.
_____. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 15ª ed. São Paulo: Paz e Terra, 2000a.
_____. Pedagogia da esperança: um reencontro com a pedagogia do oprimido. 6ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1999.
_____. Pedagogia da indignação: cartas pedagógicas e outros escritos. São Paulo: Editora UNESP, 2000b.
_____. Pedagogia do oprimido. 12ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1983.
_____ ; SHOR, Ira. Medo e ousadia: o cotidiano do professor. Trad. Adriana Lopez. 2ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

Onesio Primo Longhi

AQUI >>> Livros de Paulo Freire na Web      >>Clicar ''Direct Download''